DOIS POEMAS DE JACOBO FIJMAN

CANTO DO CISNEDemência:  o caminho mais alto e mais deserto. Ofícios das máscaras absurdas, mas tão humanas.Roncam os extravios;tossem os rostose descarregam seus golpesafônicas lamentações. Semblantes inflamados;dilatação vítrea dos olhosno caminho mais alto e mais deserto. Se eriçam os cabelos do espanto. A iluminação louva sua inocência. O pátio do hospício é como um bancoao […]