Um poema de Joyce Mansour

POEMA Adoro fazer amor apoiada num animal Admirar os movimentos dos funestos áugures Que se agitam no teto em suas pantufas douradas Adoro extrair os órgãos do gênio mais sólido Para exibi-lo em pleno dia Sobre as loucas rendas de Bruges Adoro engolir os furiosos do Cáucaso Seus sexos têm um gosto de fome.  ____________________ […]

Torna Zéfiro!

METAPOEMAOttavio Rinuccini (italiano, 1562-1621)Zefiro torna, e di soavi accentil’aer fa grato e ‘l pie discioglie a l’onde,e mormorando tra le verdi fronde,fa danzar al bel suon su ‘l prato i fiori.Inghirlandato il crin Fillide e Clorinote tempran d’amor care e gioconde;e da monti e da valli ime e profonderaddoppian l’armonia gli antri canori.Sorge più vaga […]

Metatradução

Peter Paul Rubens (flamengo, 1577-1640), Vênus e Adonis, c. 1635. Óleo sobre tela, 95,5 x 77,5 cm.   A HISTÓRIA DE VÊNUS E ADONIS   Eu, Vênus, te lanço um olhar de súplica, Adonis, para que fique comigo. Nua, te seguro o braço, em causa deste pequeno cupido que me flecha em mãos a perna. Mas […]

um experimento

ECO   Quanto dura o amor no coração de uma mulher?   – (Horas)   E ela não me amava o quanto eu a amava?   – (Nunca)   E como sei que você, homem, reclama comigo?   – (Eco).  * ECO Fidenzio Glottogrisio   In cuor di donna quanto dura amore?   – (Ore) […]

Dois poemas de Anne Sexton

Balada da masturbadora solitária   O fim do caso é sempre morte. Ela é minha oficina. Olho escorregadio, pra dentro de minha tribo. O meu fôlego acha que você foi. Eu vejo horrorizada aqueles que estão aqui. Eu sou alimento e alimentada. À noite, sozinha, eu me caso com a cama.   Dedo com dedo, […]

Dois poemas de Elizabeth Bishop

Cão-de-rosa [Fortaleza] O sol é escaldante e o céu azul. Guarda-chuvas vestem a praia de todos os matizes. Nua, entre o passo ordinário e a corrida, você cruza a avenida. Ó, nunca vi um cão tão nu! Nua, cor-de-rosa, sem um único fio de cabelo cão-de-rosa… Assustados, os passantes recuam e olham fixamente. Claro que […]

Um poema de Manuel Vilas

MC DONALD’S Estou no Mc Donald’s da Praça de Espanha no centro de Zaragoza, numa fila gigantesca, com os olhos cravados nos cartazes de preços, o dinheiro contado na mão direita, notas amassadas. Agora estou no subsolo, no andar de cima era impossível. Estou sentado ao lado de uma criança negra que tem em sua […]

Um poema de Dorothea Tanning

ARTISTA, UMA VEZ ARTISTA, UMA VEZ Foi num quarto de aluguel. Com um cama e uma janela, o bastante para sonhar um fato surpreendente como estar no passado, e sem sombra de dúvidas em Nova Iorque, o suficiente para guardar, como na gravidez, essas telas ainda não pintadas ser. Incandescentes tomando tempo para chegar, pra […]

Um poema de Richard Blanco

TALVEZ  para Craig   Talvez fossem os cartazes prometendo o paraíso, talvez essas cinquenta e nove milhas com a sua mão na minha, talvez o meu sexy roadster, de cima para baixo, talvez o vento dedilhando seu cabelo,  o sol em suas coxas e o peito nu, talvez fosse apenas o passeio sobre o mar […]